Morar no Exterior – Emoções

A "Montanha Russa" de emoções que você passa quando mora no exterior.

Morar no Exterior - Emoções
Morar no Exterior – Emoções

A primeira emoção e a hora em que você comprar a sua passagem de avião. Parece que “não há caminho de volta” – a menos, claro, que você queira pagar as taxas de cancelamento – mas isso não é o que você está pensando,  que a decisão foi tomada. Você está animado, muito animado!

É provavelmente a sua primeira viagem ao exterior ou até mesmo a primeira vez que você vai deixar sua família por um longo período de tempo e há tanta coisa acontecendo em sua mente que você quase se sente sobrecarregado e não sabe por onde começar, mas não entre em pânico, há tempo para tudo.

Esta etapa de sua viagem é planejada cerca de 6 meses antes de sua partida (na maioria dos casos). Você já tomou a decisão de mudar (ou ir embora por um ano ou muitos anos) e agora você precisa pensar sobre os aspectos práticos.

Barreiras

Você deve ter cuidado ao falar com as pessoas para que eles não o desiludam. Algumas pessoas vão ser muito céticas sobre sua ideia e sua nova jornada. Eles vão te dar mil razões do porque é perigoso, não é bom, ruim, horrível ou qualquer outro adjetivo negativo que você possa pensar. Cabe a você se você está ou não afim de ouvi-los e tomar o seus conselhos válidos. Lembre-se de que cada viagem é única. Mesmo que eles tenham ido para outro país e a experiência tenha sido terrível, foi a experiência deles e não a sua.

Faça a sua própria história!

Faça a sua própria história!
Faça a sua própria história!

Certa vez, eu estava viajando pelo Leste da Europa usando meu passaporte brasileiro com um amigo escocês. Nós estávamos indo da Polônia para a Áustria e eu não sei o que aconteceu, mas pegamos o trem errado e acabamos indo parar na República Tcheca.

Eu não tinha o visto certo e quando o trem parou na fronteira, dois oficiais de imigração portando armas maiores do que eu me levaram para fora do trem. Eram 2 da manha e eu tinha que esperar por mais duas horas até que o trem de volta para a Polônia chegasse. Era dezembro e a temperatura na plataforma era de -17C (sim, menos -17!).

Eu tinha uma máscara de esqui para proteger o rosto do frio, mas estava tão aterrorizado que chorei. As lágrimas congelaram na máscara e viraram gelo. Foi uma experiência assustadora, mas eu não digo às pessoas para não viajar por causa disso. Você terá suas próprias histórias engraçadas para contar – felizmente, as minhas não são ruins. Então, não se deixe abalar pela negatividade das pessoas ao seu redor.

Certifique-se de tirar o máximo de sua viagem e aproveitar o melhor tempo de sua vida!

Leia outras colunas de Rafael:

 

Créditos de imagem: Kathieeeex3La lettre de Galilee

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.