Brasileiros optam por cursos mais longos no exterior

Dicas para aqueles que pretendem realizar um curso mais longo no exterior

Brasileiros optam por cursos mais longos no exterior
Brasileiros optam por cursos mais longos no exterior

O intercâmbio é encarado hoje como uma capacitação fundamental para aqueles que querem se destacar no mercado de trabalho. E, em tempos de crise, cada vez as empresas querem profissionais diferenciados, com experiência na sua área de atuação, mas também de vida, conhecimento de mundo. O momento atual do Brasil tem feito com que os jovens recém-formados ou não busquem no intercâmbio uma perspectiva melhor para o futuro, com inglês fluente e currículo mais atraente. Os cursos de curta duração – 4 semanas –  estão dando lugar para os mais longos.

Se até alguns anos atrás o intercambista brasileiro não queria mais trabalhar lá fora, agora os tempos são outros. Os programas considerados de longa duração – 6 meses –  estão em alta. Segundo dados da Egali Intercâmbio, maior empresa do setor da América Latina, a maioria dos estudantes está optando pelos cursos que possibilitam estudar e trabalhar no exterior.

Os destinos preferidos para essas modalidades são Irlanda, Austrália e Nova Zelândia. A partir de R$ 6 mil já é possível programar uma viagem.  “Aprender outro idioma no seu país de origem dá um diferencial incrível, pois a pessoa fica com um domínio muito maior das expressões e consegue se comunicar melhor”, afirma o diretor Comercial da Egali Intercâmbio, Guilherme Reischl.

O tempo ideal para planejar uma viagem desse porte é seis meses. No entanto, é possível conseguir toda a documentação exigida e passagem em três meses

Para dar mais segurança aos intercambistas, a Egali acompanha todo o processo do visto para Canadá, Estados Unidos e Austrália, países onde é necessário solicitar o documento prévio para entrar. Já para a Irlanda a orientação da Egali começa no Brasil e se estende até o destino, onde é formalizado o visto.  A empresa conta com um setor especializado no assunto, que acompanha o aluno em todos os procedimentos necessários (carta da escola, passagem, acomodação e orientação no preenchimento de formulários). O visto é sempre exigido nos Estados Unidos, por exemplo, o que já não ocorre na Inglaterra, Nova Zelândia, Malta, que não pede visto prévio para programas de curta duração.

Dicas da Egali Intercâmbio

  • Faça o seu passaporte o mais rápido possível. Às vezes este processo pode ser demorado.
  • Quanto antes você fechar o seu intercâmbio, mais você poderá parcelar.
  • Avalie sua agência. Ela deve ser responsável pelo seu visto e preferencialmente compre de agências que possuem estrutura no exterior.
  • Faça sempre seguro-saúde
  • Pense bem a respeito do seu destino. Metrópole? Cidade típica ou cosmopolita/turística?

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.