Como estudar no exterior sem visto de estudante?

Saiba como estudar em outro país sem precisar do visto de estudante, dicas e informações que podem ajudar em sua decisão.

Como estudar no exterior sem visto de estudante?
Como estudar no exterior sem visto de estudante?

No post passado, comentei que estava recebendo e-mails com perguntas de leitores (o que acho o máximo!) e falei sobre a difícil escolha de saber a hora certa de fazer o intercâmbio, dei dicas como conciliá-lo com sua carreia, mesmo à distância, entre outras coisas. No papo de hoje, vou contar como fiz para estudar em uma faculdade nos Estados Unidos sem ter o visto de estudante.

O programa de intercâmbio que fiz foi o au pair. Este programa me dá direito a ter uma bolsa de estudos, com a qual eu posso escolher estudar o que eu quiser. Ok, com esse programa eu tenho o visto J1, que é de trabalho e de estudo, mas não o visto tradicional de estudante.

Eu resolvi fazer cursos relacionados à minha área, Comunicação, já que assim eu me atualizava na área e praticava o idioma ao mesmo tempo.
Você pode estudar nos Colleges e até nas Universities como estudante visitante (“visiting student”), ou seja, você não visa conseguir um diploma com isso. Irá simplesmente frequentar as aulas, como cursos complementares.

Aliás, você sabia que se o curso que você for fazer tiver menos que 15 horas semanais, você pode entrar no país com o visto de turista? Foi assim que eu entrei da segunda vez (e continuei fazendo meus cursos, mesmo com o visto de turista).

É difícil ser admitido na faculdade?

Se você for fazer as aulas como “visiting student”, o processo é muito mais simples. No meu caso, eu estudava no MCTC (Minneapolis Community & Technical College), em Minnesota. O processo foi entrar no site, preencher o formulário de cadastro e fazer o “vestibular” deles presencialmente. Consiste em questões de reading (leitura), writing (escrita) e matemática. No caso de estudantes em que o inglês não é a primeira língua, aí é preciso fazer o teste de listening (compreensão auditiva) também.

Os pontos do teste determinam o nível das classes que você está habilitado a fazer. As aulas que eu fiz foram “writing and grammar 5.5” (onde aprimoramos as técnicas de redação e gramática), “english college” (onde desenvolvemos artigos científicos para revistas e aprendemos a interpretar textos científicos), “public skeaping” (oratória) e “photography as personal language” (em que aprendemos a transmitir sentimentos através das imagens e estudamos os grandes nomes da fotografia mundial, inclusive – e orgulhosamente – o brasileiro Sebastião Salgado).

Se você fosse aplicar como um estudante estrangeiro, aí sim o processo é mais burocrático. Você precisa comprovar até a alma. Precisa do visto de estudante, comprovar renda, ter um sponsor (alguém responsável por você economicamente) e muito mais. Mas, se for só fazer curso de curta duração, o “visiting student” é a opção mais indicada.

Como faz a admissão na faculdade para visiting student?

Depois que você definiu o destino do seu intercâmbio, procure as instituições de ensino que há na cidade. Se preferir, pode fazer isso ainda no Brasil. Eu escolhi a minha quando já estava em Minneapolis. Para o processo de admissão, em qualquer instituição de ensino, minha sugestão é você consultar o site da instituição e ver o passo a passo do procedimento. Mas, vale dar uma pesquisada, pois os cursos em College costumam ser mais baratos que os das Universities.

Não vale a pena pagar cursos de inglês?

Se você está em um programa de intercâmbio longo, como o au pair, e tem a oportunidade de estudar alguma coisa, sugiro fazer cursos relacionados à sua carreira profissional. Não gaste sua bolsa de estudos com curso de inglês. Se quiser aprender ou melhorar seu inglês, uma boa dica é procurar escolas públicas. Elas costumam oferecer esses cursos gratuitamente. Eu, por exemplo, fazia os cursos na faculdade em determinados dias e, nos outros, ia para a escola pública fazer o preparatório para o Toefl gratuitamente. Ah, e também fazia aula de espanhol a um preço bem mais em conta na escola. Pesquise o que as escolas públicas do seu bairro, da sua cidade oferecem!

E aí, para participar é mais simples ainda. Praticamente você chega lá, conversa com o responsável do programa e se inscreve. Para as aulas pagas, você pode pagar pela internet mesmo. Sem burocracia, sem visto, sem frescura. 😉

Bom, espero que tenha ajudado. Beijos e até a próxima.

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.