Homestay: O que é e qual a sua relação com a acomodação no intercâmbio?

Você sabe o que é a homestay e suas principais características? Hoje, eu trouxe algumas informações que podem te ajudar a descobrir!

Todo estudante que está se preparando para um intercâmbio se depara com um desafio: a escolha da acomodação. As opções são inúmeras, desde as possibilidades de hotel e Airbnb até a famosa homestay, também chamada de host family.

Esse tipo de hospedagem é muito comum e pode ser uma opção em praticamente todos os programas de intercâmbio. No entanto, trata-se de uma possibilidade que gera muitas dúvidas nos futuros intercambistas, afinal, a homestay possui algumas regrinhas bastante específicas.

Para tirar todas as suas dúvidas sobre o tema, hoje eu trouxe algumas informações bem pertinentes. Continue com a sua leitura e confira. 

Imagem: Pexels

Afinal, o que é homestay?

De modo geral, homestay é uma palavra que não tem uma tradução clara no português, pelo contrário, já incorporamos no nosso idioma como o “home office” e outros termos semelhantes. 

No entanto, consiste em um modelo de acomodação em que o estudante fica hospedado em uma casa de família, justamente a tradução de “host family”. 

Durante o intercâmbio ou período de acomodação, o aluno passa a “fazer parte” daquela família residente, que pode ser nativa ou não do seu país de destino, e compartilha dos costumes, cultura e programas que envolvam todos os membros da casa. 

Quais são as principais características desse tipo de acomodação?

Uma das principais características da homestay que a torna diferente de outros tipos de acomodação, sem dúvidas, são as regras que os estudantes precisam seguir. Essas normas não são fixas e variam de acordo com a casa. Ou seja, viver em homestay também pode ser uma caixinha de surpresas. 

Geralmente, o aluno tem uma lista de obrigações que precisa cumprir, o que inclui horários de chegada, tarefas relacionadas à manutenção do próprio quarto, uso dos espaços comuns da casa, chuveiros, lavanderia e outros utensílios, horários das refeições etc. 

Nas homestays, os estudantes podem ou não ter um quarto single, isso depende da disponibilidade de cada destino. 

Além disso, o intercambista não pode escolher com qual família que ele vai morar, isso é disposto com base na localização da escola (visto que existe um limite máximo de distância entre a casa e a instituição estipulado pelo governo de cada país) e, assim como no caso anterior, disponibilidade de cada família.

Outra coisa que é um atributo das casas de família é o próprio perfil do estudante. Ao contratar esse tipo de acomodação, a agência de intercâmbio solicita ao aluno o preenchimento de uma ficha, em que o estudante precisa registrar dados como restrições alimentares, alergias ou características do espaço que possam afetar a sua adaptação (como animais de estimação e fumantes, por exemplo).

Além disso, as hosts podem ou não possuir refeições inclusas e, geralmente, essa informação já pode ser validada no ato da contratação. Porém, normalmente, os alunos já possuem café da manhã e jantar, que são servidos em horários pré-determinados. 

Todas as informações sobre a homestay são enviadas ao aluno algumas semanas antes do embarque, como telefone, endereço, regras da casa e outros dados úteis para o estudante não apenas conhecer um pouco a família, mas também para apresentar à imigração no momento que chegar ao país de destino. 

Imagem: Pexels

Vantagens e desvantagens da homestay

Como dois lados de uma mesma moeda, morar com uma família tem lá os seus ônus e bônus. Confira:

Vantagens da homestay

  • Convívio com uma família residente e imersão no idioma;
  • Imersão cultural, mesmo se a família não for nativa do país de destino, com certeza, você aprenderá um pouco mais sobre costumes diferentes dos seus;
  • Segurança, visto que as famílias são criteriosamente acompanhadas pelo governo;
  • Custo-benefício atraente, levando em consideração aspectos como alimentação e outras despesas que o estudante teria em uma acomodação compartilhada, por exemplo;
  • Possibilidade de conviver com outros intercambistas, isso porque muitos hosts recebem mais de um estudante por vez, no entanto, sempre de países distintos. 

Desvantagens da homestay

  • A adaptação cultural pode ser um desafio, especialmente se a família tiver costumes muito distintos dos seus;
  • Pouca liberdade, visto que o estudante precisa sempre respeitar os horários e prestar satisfação aos hosts;
  • Mesmo com um custo-benefício atraente, a homestay pode ser uma opção um pouco mais cara se comparada a outras opções de acomodação, como as casas compartilhadas;
  • Pouca privacidade, dependendo da casa e se o quarto é compartilhado ou não. 

Para quem é indicado esse tipo de acomodação?

A homestay pode ser a acomodação de qualquer intercambista que esteja com o coraçãozinho aberto para viver essa experiência. Sim, meus amigos, qualquer um, independentemente do tipo de intercâmbio que estejam fazendo, período ou, até mesmo, se estão sozinhos ou em casal. 

Geralmente, essa opção de acomodação é obrigatória para os programas de intercâmbio teen, high school e au pair, nos outros, porém, é uma questão de escolha (como os highers – universitários – e intercâmbio de idiomas). 

No entanto, em qualquer um dos casos, pode ser um momento de aprendizagem, descobertas e imersão. E se o que eu falei ali em cima sobre casal não te passou despercebido, sim, é possível optar por uma host family mesmo que você não vá sozinho.

Isso, inclusive, foi o que Viih Rocha fez. A jovem de 27 anos, especializada em moda, fez um intercâmbio de um mês com o esposo na Inglaterra e ambos ficaram hospedados em uma casa de família com todo o conforto e privacidade. 

A influenciadora conta um pouco da sua experiência lá no youtube e, cá entre nós, vale muito a pena conferir. 

Dúvida cruel de todo intercambista: Homestay ou residência estudantil?

Se você chegou até aqui, deve estar se fazendo aquela pergunta que ronda a mente de todo estudante que está organizando um intercâmbio: afinal, optar por uma homestay ou residência estudantil?

Bom, essa é uma decisão bastante individual e está relacionada com o seu perfil. Ou seja, o que você quer do seu intercâmbio? Aceitaria viver com outras pessoas e não se importaria com as regras? Ou preza por um pouco mais de liberdade e prefere conviver com outros jovens com a mesma faixa etária que a sua, como no caso das residências estudantis?

Quer um conselho de alguém que já passou por esse turbilhão de pensamentos? Veja vlogs! “Mas, Day, como ver pessoas no YouTube pode me ajudar?”. Simples: você vai conseguir entender com mais clareza como é a rotina em diferentes tipos de acomodação e, com base nisso, definir em qual mundo você realmente se imagina. 

Escolha algo que tenha a ver com o seu perfil e que atenda às suas condições financeiras. Mas, independentemente da decisão, esteja de coraçãozinho aberto para viver com intensidade o mundo que está abrindo para você, combinado?

close

🤞 Não perca essas dicas!

Não enviamos spam! Leia mais em nossa Política de privacidade

    Assine nossa newsletter!