Que tal ampliar o vocabulário em inglês da família, em mais de cinco mil palavras, etiquetando objetos em todos os cômodos?

Envolver a família numa atividade lúdica de nomear objetos em inglês é divertido e permite a aderência ao aprendizado. A técnica, chamada de Inventário pela IP School – Inglês Particular, é simples de ser aplicada

São Paulo, 8 de março de 2021 – Existem duas dificuldades de quem não fala inglês que podem ser trabalhadas desde a infância até a vida adulta: o vocabulário e a pronúncia. “Sempre é possível conhecer novas palavras e expressões e melhorar sotaque e pronúncia”, afirma Márcio Cafezeiro, Diretor Pedagógico da IP School – Inglês Particular, uma rede de franquias com dez escolas no estado de São Paulo.

Cafezeiro (foto), que aprendeu o idioma de forma autodidata, a partir dos seis anos de idade, em casa, diz que o distanciamento social e as famílias em casa podem ser uma boa oportunidade de todos aprenderem novas palavras – e não há um limite para a ampliação do vocabulário. “A estratégia é simples: os familiares etiquetam todo tipo de objeto pela casa, com a forma correta da palavra em inglês e a pronúncia dela. Se precisarem de ajuda, podem recorrer a um professor do idioma (o mais interessante) ou a algum aplicativo. Quanto mais objetos forem etiquetados, mais os moradores da casa já alfabetizados conseguirão memorizar os nomes em inglês”, diz ele.

Segundo o especialista, não há qualquer problema de as crianças pequenas aprenderem a falar as palavras a partir da leitura da pronúncia delas. “As crianças precisam aprender a falar o inglês exatamente como aprenderam o Português. Elas não aprenderam a falar como se escreve, mas observando outros falantes. Os pais não devem se preocupar porque, no momento certo, elas aprenderão a escrever corretamente. Se já souberem falar, o aprendizado da escrita será natural”, explica.

O educador lembra que alguns de seus alunos, que chegaram a nomear 5 mil objetos pela casa. Ele chama a técnica, na rede IP School – Inglês Particular, de Inventário. “Há palavras que nunca nos lembramos, como quina, beirada, canto e fresta (dos móveis); alça, puxador, maçaneta, bandeja… Enriquecer o vocabulário nos deixa cada vez mais perto de falar como os nativos. Fazendo esse Inventário, descobrimos muitas coisas que nomeamos automaticamente em Português, mas que não temos ideia sobre como chamar em inglês”, pondera.

Para que a experiência se torne lúdica e haja aderência das crianças e adolescentes, Cafezeiro orienta os adultos a chamá-los a participar da etiquetagem. “Nessa etapa, todos já começam a aprender, porque descobrirão palavras que nunca ouviram. Usar canetas coloridas para ajudar na identificação das peças e saber o que é mais interessante de nomear, na primeira etapa, unirá a família numa experiência diferente”, ensina.

Com o tempo, mais palavras podem ser incluídas na etiquetagem – e outros objetos podem perder as etiquetas assim que os moradores memorizarem seus nomes. “Chegará um momento em que, à mesa, não se pedirá mais a xícara ou a faca, mas a cup e a knife. Ninguém mais fechará a janela ou a porta, mas a window e a door. E, assim, aos poucos, até os verbos poderão ser introduzidos – mas, esse assunto é para outro dia!”, finaliza o especialista.

Sobre Márcio Cafezeiro

Márcio Cafezeiro é diretor pedagógico da IP School – Inglês Particular (www.ipschool.com.br). Autodidata, aprendeu inglês ainda criança, assistindo a filmes e desenhos animados insistentemente. Hoje, possui as certificações Toeic, Toefl e Cambridge, as mais conceituadas do mundo.

Sobre a IP School

A IP School é uma rede com dez escolas na capital paulista e em Arujá, Guarulhos e Mogi das Cruzes, que nasce com uma proposta bem diferente: os alunos têm aulas particulares, que podem ser ministradas pessoalmente ou online. A metodologia é exclusiva e baseada na Programação Neurolinguística, com método fonético, suporte gradual, mapeamento dos objetivos do aluno, de sua proficiência atual e de seu perfil para o desenvolvimento de um plano de aprendizado. A IP School – Inglês Particular não trabalha com livros e oferece materiais gratuitos aos alunos. Na IP School – Inglês Particular, os trainers (professores) são livres para ensinar de forma personalizada. Conforme o mapeamento das características dos alunos, eles criam as aulas, de forma a respeitar os gostos pessoais, a vivência, as experiências e a individualidade do aluno. Assim, desenha-se o conteúdo e a abordagem. Na metodologia da IP School – Inglês Particular, também não há problema de o aluno receber orientações em Português. Como o conteúdo é 100% personalizado, alunos iniciantes podem receber ensinamentos em Português até estarem prontos para interagir o máximo possível em inglês. A ideia é que se desenvolvam e tenham segurança.

Para mais informações, acesse:

Assine nossa newsletter!

Assine nossa newsletter e junte-se à outros 1.543 assinantes. Leia sobre a nossa Politica de Privacidade.