Intercâmbio na América Latina, é possível?

Você já pensou em estudar em alguns dos países vizinhos, aprender espanhol e conhecer lugares incríveis? Sim! Fazer um intercâmbio na América Latina é muito possível! Confira mais informações neste post.

Com os impactos da pandemia, muitas pessoas que desejam ter uma vivência internacional estão buscando possibilidades de estudar fora sem gastar rios de dinheiro e o intercâmbio na América Latina pode ser uma boa opção. 

Embora a crise atual tenha escancarado essa possibilidade de intercâmbio, não é de hoje que os brasileiros se aventuram pelos países vizinhos.

Para se ter uma ideia, um relatório do Ministério da Educação (MEC) divulgado pela Revista Exame nos revela que, em 2019, cerca de 65 mil estudantes cursaram medicina em países como Paraguai, Argentina e Bolívia

Das paisagens tropicais do México às montanhas de gelo do Chile, a América Latina oferece não apenas ótimas opções de cursos para aqueles que desejam aprender o espanhol e se aperfeiçoar profissionalmente, mas também rica vivência cultural, infinitas possibilidades de diversão e, sem dúvidas, uma incrível experiência social. 

Imagem: Pexels

Vantagens de fazer um intercâmbio na América Latina

Quando pensamos em intercâmbio, alguns destinos comuns vêm à mente, como Estados Unidos, Inglaterra, Irlanda, Malta, Austrália e Nova Zelândia. Muitas vezes, acabamos nem considerando os benefícios que os países do ladinho do Brasil podem trazer.

Nesse cenário, existem algumas (muitas) vantagens de fazer um intercâmbio com nossos hermanos, como:

Cotação mais barata

Diferentemente da Europa, em que muitos países, por exemplo, utilizam o Euro, as moedas da América Latina variam de acordo com o destino. No entanto, todas as moedas têm algo em comum: são mais baratas se comparadas ao real. 

O que isso significa? É possível não apenas fazer intercâmbios mais em conta, mas se manter no país sem muitas dificuldades. Isso também se reflete nas passagens aéreas, é possível aproveitar as promoções e conseguir os bilhetes de embarque por valores bem interessantes. 

Não precisamos de visto

Outro ponto positivo para os países coladinhos no Brasil, sem dúvidas, é o visto. Para cursos de duração de até três meses, os brasileiros não precisam de visto de estudante (se o período de permanência for maior, sim, meu querido gafanhoto, será necessário solicitar uma autorização à embaixada). 

Além de economizarmos dindin nesse processo (afinal, sabemos que a taxa de visto não é nada baratinha), ainda não precisamos esquentar a cabeça com a correria de documentação e gastar os nervos esperando uma resposta do consulado. 

Instituições de ensino de qualidade

Você sabia que na América Latina é possível encontrar diversas instituições de qualidade? Sim! No ranking QS World Rankings 2022, que analisa mais de 1.200 centros universitários no mundo inteiro, por exemplo, temos algumas universidades com posicionamento bem interessantes, como:

  • Universidad de Buenos Aires (69°);
  • Universidad Nacional Autónoma de México (105°);
  • Tecnológico de Monterrey – México (161°);
  • Universidad de Chile (183°);
  • Universidad de los Andes – Colombia (236°);
  • Universidad Nacional de Colombia (258°).

Idioma 

Outro ponto que não podemos desconsiderar quando pensamos em estudar na América Latina é o idioma. Sabemos que o espanhol é o segundo idioma mais falado do mundo e, mesmo aqui no Brasil, muitas empresas pedem o conhecimento da língua para possíveis candidatos e/ou colaboradores.

Não vamos desconsiderar as paisagens de tirar o fôlego

Por fim, se você quer um motivo para fazer intercâmbio na América Latina, eu te dou 19: 19 países diferentes entre si, que esbanjam riquezas naturais, paisagens belíssimas e cenas que, provavelmente, você nunca viu. 

Ver as construções branquinhas de Punta del Este, no Uruguai; fazer um bate e volta no Deserto do Atacama, no Chile; andar por Machu Picchu, no Peru; visitar as Pirâmides do Sol e de Cholula, no México, e aproveitar para dar uma passadinha em Cancún ou Acapulco, quem sabe; andar pelas águas cristalinas do Panamá; explorar as paisagens urbanas do Uruguai.

As opções de passeios pela América Latina são infinitas e, acredite, um mais belíssimo que o outro. 

Imagem: Pexels

Principais destinos na América Latina para fazer um intercâmbio

Dentre os principais países em que é possível fazer um intercâmbio na América Latina, estão:

  • Chile: imagina estar em algum lugar da cidade e conseguir avistar as montanhas, alaranjadas no verão e branquinhas no inverno. Demais, né? Pois é, Santiago, a capital do Chile, é assim. Porém, nem só de belas paisagens vivem os estudantes, não é mesmo? O Chile oferece instituições de qualidade e um custo de vida bem interessante;
  • Uruguai: com um pouco mais de 3 milhões de habitantes, Uruguai está localizado bem ao sul e faz fronteira com o estado de Rio Grande do Sul. Oferecendo aos estudantes diversas opções de entretenimento, Uruguai também conta com instituições qualidade; 
  • Argentina: o berço do tango, a Argentina é outro país que oferece riquezas naturais, muitas comidas típicas diferentes e deliciosas, museus, parques, montanhas e lagos. Além disso, os estudantes podem ter acesso a diversas instituições de qualidade;
  • Bolívia: Embora não tenha território na costa, a falta de praia não decepciona os turistas e intercambistas que dão uma chance para a Bolívia. É um país que valoriza a vida urbana, porém, de jeito nenhum deixa de lado o contato com a natureza. Museus, parques, trilhas, montanhas… tantas opções aos corações aventureiros;
  • Peru: abrigando as adoráveis lhamas, o Peru possui cerca de 1.285.000 km² em extensão e um pouco mais de 32 milhões de habitantes. Regada a Pisco Sour (bebida típica peruana), sua estadia no Peru vai ter de tudo: rica cultura, riquezas naturais e muita diversão;
  • Equador: bem ao norte da América do Sul, o Equador é um daqueles destinos que combinam com perfeição cidades históricas e uma belíssima natureza;
  • Colômbia: fazendo fronteira direta com o Brasil, a Colômbia é outro país que não decepciona. A terrinha já é abençoada apenas por nos ter dado a Shakira, mas também oferece muitas aventuras aos estudantes e instituições de qualidade;
  • México: localizado na parte central da América, o México está grudadinho nos Estados Unidos; comidinhas apetitosas, as belas paisagens já descritas, ótimas instituições de ensino, muita música boa… essas são apenas algumas coisas que esperam os estudantes. 
Imagem: Pexels

Tipos de intercâmbio na América Latina

Assim como para qualquer outro país do mundo, é possível fazer diversos tipos de intercâmbio na América Latina, como os de idiomas (para estudar espanhol), universitários, Preparatório para o exame DELE (Diploma de Espanhol como Língua Estrangeira) e, até mesmo, Espanhol com Tango (em que o estudante combina as aulas de espanhol com aulas de tango).

Outra opção comum é o intercâmbio voluntário. Instituições como a AIESEC, por exemplo, oferecem diversas oportunidades para jovens que desejam viver uma experiência de impacto socioambiental no exterior. Os valores do voluntariado variam, porém, muitas das opções já contam com acomodação e parte das refeições. Interessante, né?

Imagem: Pexels

Qual o valor de um intercâmbio na América do Sul?

Os preços de um intercâmbio na América Latina dependem de uma série de fatores, desde o destino escolhido, até o tipo de curso, tempo de permanência e perfil de cada estudante. 

O ideal é que o aluno busque informações e, assim que definidos alguns possíveis destinos, contate uma agência para solicitar orçamentos. Com planejamento prévio e informação, é possível conseguir valores ainda mais atrativos e tornar a viagem uma realidade.

Outro ponto importante é que, dependendo do tipo de intercâmbio, o estudante pode conseguir bolsas de estudos parciais ou totais

O Becas Santander, por exemplo, é um programa que abrange diversos países, inclusive os da América Latina. As bolsas variam entre cursos de idiomas, graduação, pós-graduação, estágios e cursos de curta-duração.

Além disso, o Instituto Colombiano de Crédito Educativo y Estudios Técnicos en el Exterior (ICETEX) é outra opção para estudantes que desejam uma bolsa. As inscrições abrem anualmente e as oportunidades, geralmente, são destinadas aos cursos de pós-graduação.

Por fim, alguns programas de mestrado para ficar de olho são o Programa de Bolsas Internacionais do Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia, da Argentina, e o Programa de Bolsas de Cooperação Horizontal da Agência de Cooperação Internacional (AGCID), do Chile.

close

🤞 Não perca essas dicas!

Não enviamos spam! Leia mais em nossa Política de privacidade

    Assine nossa newsletter!