5 razões por que intercambistas não aprendem inglês

Morar fora proporciona experiências para intensificar o aprendizado, mas não garante domínio do idioma se não houver dedicação

5 razões por que intercambistas não aprendem inglês
5 razões por que intercambistas não aprendem inglês

Os cursos de inglês na Irlanda são de pelo menos 15 horas semanais. Em seis meses, isso representa 375 horas de aula em ambientes multiculturais onde a única língua falada deve ser o inglês. No entanto, mesmo depois de um ano no país, muitos estudantes ainda não conseguem se comunicar efetivamente. Por quê? Segundo o cofundador da Seda College, Tiago Mascarenhas, que trabalha com estudantes internacionais há seis anos em Dublin, a persistência em usar sua própria língua para se comunicar com colegas, a falta de determinação e de propósitos com o idioma estudado são os principais motivos do fracasso do aprendizado. “A experiência acaba se transformando em um desperdício de tempo e dinheiro”, completa ele.

Com trabalhos realizados desde 2009 com aproximadamente 10 mil estudantes internacionais, a Seda College descobriu os principais erros que reduzem a capacidade dos alunos de aprenderem inglês durante o intercâmbio.

Limitar o estudo à sala de aula

As aulas de inglês no exterior funcionam como um guia de aprendizagem. O conteúdo repassado aos alunos varia conforme o nível de domínio do idioma. O objetivo é fazer com que todos sintam-se desafiados, mas, ao mesmo tempo, sejam capazes de entender a mensagem principal. O desenvolvimento das habilidades de comunicação é gradual, no entanto, inválido se estiver limitado ao tempo com o professor em sala. “Se das 24 horas de um dia, apenas três forem dedicadas ao idioma, o processo de aprendizagem será muito lento. Isso sem falar dos fins de semana. O contato com o idioma deve ser contínuo e intenso”, reforça Tiago.

Manter comunicação em seu idioma nativo

O tempo dedicado ao uso da língua nativa quase sempre supera o do idioma foco de estudo. Embora manter uma conversação em inglês para quem está começando possa ser difícil, continuar se comunicando em seu idioma é retardar o aprendizado. A diretora de ensino da Seda College, Sibéal Turraoin, explica o porquê: “toda vez que você muda para o seu próprio idioma, é como se o cérebro tivesse que reiniciar a configuração para retornar ao inglês e recuperar o que foi aprendido. Eu sou bilíngue também e sei, por experiência própria, o quanto isso atrasa o processo. Quanto mais você mergulhar na língua, mais rápido e mais fácil o progresso acontecerá”.

Duvidar da própria capacidade

No intercâmbio, alunos com diferentes habilidades com o idioma podem compartilhar a mesma sala, isso porque alguém pode falar muito bem, mas ter problemas com a escrita, ou vice e versa. “É importante que os alunos não se sintam intimidados pelos colegas e jamais deixem de acreditar na sua capacidade de aprender em função da idade ou de qualquer outro motivo pessoal. A autoconfiança é um ponto essencial para o aprendizado, caso contrário, seis meses de curso não serão suficientes para aprender inglês”, acrescenta Sibéal. Cometer erros e perceber a presença deles é processo essencial do aprendizado.

Não estar aberto ao novo

Estar longe de casa e dos amigos faz com que os alunos busquem pessoas do seu próprio país e ambientes que se aproximem de sua cultura, mas isso pode ser um problema para quem quer agilizar o processo de comunicação. Diversificar as experiências e ampliar o círculo de amizade é o grande diferencial de uma temporada no exterior. Mesmo quem está chegando, deve tentar interagir com pessoas de outras nacionalidades, frequentar ambientes diferenciados, provar pratos exóticos da gastronomia mundial e ampliar o vocabulário com essas situações.  Não se deve ter medo de cometer erros.

Achar que no intercâmbio o aprendizado acontece naturalmente

O tempo não ensina ao estudante um idioma. Existem pessoas que moram há anos num determinado país, até conseguem se comunicar, mas com dificuldade e cometendo muitos erros. O único jeito de aprender é errando, mas buscando corrigir as falhas da comunicação. É preciso frequentar as aulas, estudar em casa e readaptar todas as atividades diárias para o idioma que se de deseja aprender. Assista televisão em inglês, ouça música em inglês, leia notícias em inglês, use redes sociais e até configurações do celular em inglês. “Limite o uso da sua língua nativa para falar com a família. Quando você estiver completamente cercado pelo idioma, estará aprendendo até em sonhos”, completa Tiago.

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.