Quanto vale seu inglês fluente? O que é preciso para se valorizar?

Você já parou para pensar sobre a importância do inglês? Ou, ainda, em como as empresas têm valorizado o idioma? Como aprender? Hoje é essa reflexão que faremos!

Não é leviano dizer que o inglês é a língua universal, afinal, o idioma é falado por cerca de 1,3 bilhão de pessoas, o que representa um pouco mais de um sétimo da população mundial.

Com tamanha popularidade combinada à globalização, cada vez mais empresas estão exigindo conhecimento no idioma. No entanto, aqui nos deparamos com uma grande lacuna entre os brasileiros: apenas 5% da nossa população fala o inglês.

Desse número, 47% dizem ter o nível básico, 32% intermediário e somente 16% estão no nível avançado ou fluente da língua, segundo uma pesquisa realizada pelo British Council

Por outro lado, os falantes da língua inglesa têm um outro desafio: encontrar um trabalho qualificado. O que isso significa? Não são poucas as empresas que não valorizam os seus funcionários em termos monetários. 

Não precisa procurar muito. Em uma busca rápida por qualquer site ou grupo de emprego, é possível encontrar propostas que exigem habilidades especializadas ou, até mesmo, gerenciais por um salário de estágio, auxiliar ou assistente.

Em todo esse cenário, muitos ainda se questionam a respeito da viabilidade do idioma para o seu cotidiano ou, ainda, como podem se valorizar no mercado de trabalho. E hoje é exatamente essa reflexão que eu quero ter com você. Vamos lá?

Qual é a diferença do inglês fluente para a sua carreira?

Bom, o primeiro ponto que devemos ter em mente é: não é porque muitas empresas não te valorizam que o inglês não vai fazer nenhuma diferença na sua vida.

Ter domínio e conhecimento no idioma pode te abrir muitas portas no mundo corporativo. Para você ter uma ideia, uma pesquisa feita pela Page Personnel nos mostra que 60% das vagas atuais já exigem habilidades em inglês.

Um outro levantamento, este realizado pela Catho, nos revela que profissionais que falam inglês podem ter salários até 70% maiores do que aqueles que não falam. O domínio do espanhol também não fica para trás, isso porque os especialistas que possuem habilidades do idioma podem ganhar até 40% mais.

Muito legal, né? Sim! Porém, não é só no universo do trabalho que dominar o idioma pode te trazer benefícios, mas também em toda a sua vida. 

Muitas séries, filmes, livros, artigos científicos, estudos, relatórios, podcasts, documentários e outros materiais são produzidos no idioma e uma infinidade deles nem chegam a ser traduzidos para o português ou levam anos para chegar ao Brasil.

Além disso, saber inglês é um degrau importante para quem quer estudar no exterior, isso porque muitas universidades, escolas e faculdades exigem teste de proficiência no idioma para aceitar a sua inscrição em cursos técnicos, graduação, pós e mestrados.

Por fim, até turistar pelo mundo se torna mais fácil com o domínio da língua, afinal, com tantos falantes, é difícil chegar em um lugar que ninguém conheça um pouco do inglês.

Como se valorizar?

Pronto, agora que concordamos que saber inglês é importante, chegamos à segunda parte da nossa reflexão: como se valorizar em um mercado que exige tanto, porém, não reconhece o suficiente?

Sabemos que o desenvolvimento não é algo barato. Uma graduação leva, no mínimo, uns 30 mil reais. Em determinadas faculdades e cursos, esse valor ultrapassa os 100 mil reais. Estudar por um período no exterior custa, em média, uns 20 mil reais. Fazer curso de inglês no Brasil te consome uns 3 mil reais por ano.

Todo esse investimento, claro, não é de graça. Um profissional que investe quer ter bons retornos no futuro, certo? Não, não só apenas os empresários pensam em ROI.

Pois bem, quando recebemos uma oportunidade para ganhar abaixo do que o piso salarial da nossa formação ou, até mesmo, nível hierárquico em que estamos, a frustração chega e, obviamente, a conta não bate.

Mas o que fazer nessas horas? Embora algumas condições de emprego sejam absurdas, muitos profissionais acabam aceitando determinadas propostas por diversos motivos, sejam problemas financeiros ou familiares e, até mesmo, uma transição de carreira, busca por melhor qualidade de vida, mudanças e outros.

Nesse cenário, o ideal sempre é avaliar o que faz sentido ou não para você. Será que vale a pena receber menos do que você sabe que deveria receber por experiência? Quanto tempo você deseja permanecer neste emprego? Você tem condições de crescer na empresa? Essa transição pode ser rápida ou demorada? Se você aceitar esse emprego, você conseguirá se manter ou precisará de jobs extras?

Se você chegar à conclusão que não vale a pena, algumas dicas podem te ajudar na busca de um emprego que te valorize monetariamente:

  • Pesquise as médias salariais da empresa na internet, muitos sites, atualmente, como o Glassdoor, disponibilizam essas informações;
  • Entenda o seu diferencial e mostre isso aos empregadores, tanto no currículo quanto na entrevista;
  • Sempre coloque no seu currículo as suas capacitações (cursos extras, graduação, pós e outros) e suas vivências (intercâmbio);
  • Pesquise bem sobre a empresa;
  • Se você estiver confortável, não aceite menos do que você sabe que deveria.

Não tenho inglês fluente: e agora?

E, por fim, chegamos na terceira parte da nossa reflexão: como desenvolver habilidade em um novo idioma e garantir melhores oportunidades? Algumas dicas podem ajudar:

Busque modos de se desenvolver

Atualmente, existem uma infinidade de aplicativos, sites, perfis na internet, grupos de Telegram e WhatsApp e conteúdos no YouTube que podem te ajudar a estudar gratuitamente. 

Alguns sites que podem te ajudar são: 

Entre aplicativos comuns temos o Duolingo, Cake, Wlingua, Lingualeo, Mosalingua, Rosetta Stone e Babel. 

Lá no YouTube, temos alguns canais muito bons com conteúdos gratuitos, como: Carina Fragozo (English in Brazil), Ask Jackie, SmallAdvantages, Mairo Vergara, Cintya Sabino e Tim Explica.

Alguns podcasts que também podem te ajudar são: 6 Minute English (esse é da BBC e os textos dos áudios podem ser lidos no site), All Ears English Podcast, English Learning for Curious Minds, Go Natural English Podcast, Inglês do Zero, Histórias em Inglês com Duolingo e Inglês Nu E Cru Rádio (esse aqui é muito legal e traz algumas reflexões do dia a dia).

Bom, conteúdo é que não falta, não é mesmo?

Coloque o inglês no seu cotidiano

Uma outra dica se você quer desenvolver habilidades no idioma é, justamente, colocá-lo no seu cotidiano. 

Comece a escutar mais músicas em inglês, assista séries legendadas, anote todo o vocabulário novo que você aprender, faça exercícios em casa, troque a configuração do seu celular ou computador para o idioma, entre em grupos na internet de inglês… Enfim, quanto mais inserido você estiver nesse universo, com mais facilidade você vai assimilar novas palavras e pronúncias. 

Se possível, faça uma imersão no idioma fora do Brasil

E, claro, se você tiver a oportunidade, faça uma imersão no idioma fora do Brasil. O mundo tem cerca de 14 países que possuem o inglês como língua oficial. Em paralelo, cerca de 80 países falam o idioma. Ou seja, isso representa dezenas de possibilidades para você viver a sua experiência no exterior. 

Já publicamos por aqui posts que podem te ajudar a entender um pouco mais sobre intercâmbio, oportunidades de bolsas, países baratos para viajar e como economizar, talvez valha a pena dar uma olhadinha pelo Canal. 

Boa sorte na sua empreitada e, se você quiser contar a sua experiência com o inglês ou intercâmbio, mande uma mensagem para a gente! 🙂