Intercâmbio Austrália: Tudo o que você gostaria de saber

Famosa pelos seus animais exóticos e belíssimas paisagens, a Austrália se tornou um destino bastante popular entre os intercambistas brasileiros. Saiba tudo sobre esse país tão cheio de oportunidades!

Foto: Pexels

Conhecida como o país dos cangurus e coalas, a Austrália tem se tornado um dos destinos preferidos dos brasileiros que desejam viver a experiência do intercâmbio e aprender um novo idioma. 

Além de praias exóticas, paisagens de tirar o fôlego e destinos turísticos que chamam atenção de qualquer pessoa apaixonada por viagens, a Austrália oferece ótima qualidade de vida, oportunidade de trabalho para os estudantes durante a estadia e uma infinidade de cursos para todos os gostos.

Realmente é uma rota apaixonante. Para te ajudar a entender se a Austrália é o destino certo para você, preparamos um conteúdo completo com dicas e tudo o que precisa saber antes de planejar a sua viagem. Continue com a sua leitura e confira!

Por que considerar a Austrália para fazer o intercâmbio?

Que a Austrália é um país lindo, todos já sabem. No entanto, por conta da distância em relação ao Brasil (se prepare para ficar “algumas-muitas” horas no avião), muitos estudantes têm dúvidas se, realmente, é um destino a se considerar.

Se este é o seu caso, separamos abaixo algumas vantagens que a Austrália oferece a todos que resolvem se aventurar por lá:

  • Clima: do calorzão de Queensland às temperaturas mais amenas da Tasmânia, a Austrália tem um clima bem parecido com o do Brasil, o que facilita na adaptação do estudante;
  • Diversidade cultural e social: estima-se que cerca de 47% dos residentes australianos nasceram em outros países. A Austrália está de braços abertos para receber estrangeiros e podemos encontrar pessoas de todos os lugares do mundo;
  • Estudo e trabalho: pessoas que vão com um visto para estudar 14 semanas ou mais têm a possibilidade de trabalhar para se manter. A boa notícia? A Austrália tem um dos salários mínimos mais altos do mundo;
  • Qualidade no ensino: as instituições australianas são excelentes, inclusive, das 100 melhores universidades do mundo, 5 estão no país, de acordo com o Times Higher Education;
  • Qualidade de vida: citamos esse ponto acima, mas é importante ressaltar que dentre as 5 melhores cidades para se viver no mundo, 2 são australianas, segundo o The Economist

Começou a considerar a Austrália como uma possibilidade? Então veja abaixo alguns pontos que podem te ajudar no planejamento do intercâmbio. 

Qual é a melhor cidade da Austrália para fazer intercâmbio?

Como vimos, a Austrália é um país muito diverso. Do deserto às montanhas de neve (sim, elas existem por lá!) há muitas possibilidades e, comumente, os futuros intercambistas ficam perdidos em relação aonde morar. 

Para escolher, é preciso não apenas considerar o seu perfil (você gosta do frio ou calor? prefere morar na praia ou na cidade? campo ou deserto?), mas também entender um pouco sobre o que cada cidade pode te proporcionar.

Confira abaixo as características das principais cidades australianas. 

Sydney

Foto: Pixabay

Sydney é, sem dúvidas, o primeiro destino que passa na cabeça de qualquer pessoa que deseja viajar para a Austrália. 

Com lindas praias, ricos centros culturais e contendo os principais pontos turísticos do país, a cidade, localizada em New South Wales, sudeste australiano, oferece uma imensidão de atividades para os estudantes, desde o típico passeio pelo Opera House, até um mergulho em Manly Beach.

Além disso, concentra um grande número de instituições de ensino e fornece diferentes oportunidades de trabalho aos alunos que desejam se manter no país. 

Apesar de todas as vantagens, é preciso levar em consideração que Sydney, por ser o centro financeiro da Austrália, tem o custo de vida elevado se comparado a outras regiões, porém, o salário é adequado para se manter. 

Quer saber mais sobre essa cidade lindíssima? Dá uma olhadinha neste post: Conheça a cultura de Sydney a mais antiga cidade da Austrália

Melbourne

Foto: Pixabay

Melbourne é a segunda maior cidade da Austrália e está localizada no estado de Victoria, mais ao sul do país. Já foi considerada por vários anos consecutivos o melhor lugar para se viver no mundo.

Com uma vibe cultural muito forte, Melbourne é encantadora para os amantes de arte. Além dos museus e a famosa State Library Victoria, uma das maiores bibliotecas do país, a cidade valoriza a arte em todas as suas formas e é muito comum se deparar com grafites espalhados por diversas vielas pelo centro de Melbourne. 

Além disso, para a galera que adora praia, também pode conhecer Brighton Beach, região que abriga as conhecidas casinhas coloridas de frente para o mar, ou dar um passeio por St. Kilda Beach, que conta com um píer lindíssimo e uma vista incrível.

Outro ponto para Melbourne é o custo de vida, pois oferece opções mais acessíveis de acomodação e transporte para os estudantes. Porém, diferentemente de Sydney, o clima pode ser mais ameno e bastante frio em alguns pontos. 

Brisbane

Foto: Sunshine Coast Daily

Para completarmos a “trindade australiana”, temos Brisbane, a terceira maior cidade do país localizada no estado de Queensland e famosa pela região de Southbank, que possui uma praia artificial no meio da cidade (sim, com água cristalina e areia branquinha). 

Brisbane é consideravelmente menor se comparada à Sydney e Melbourne, porém, não deixa a desejar. 

Com parques, museus, praças, bares e restaurantes espalhados por todo canto, é uma opção bem legal para quem deseja morar em uma cidade pequena e com custo de vida mais acessível, mas tendo todas as vantagens de uma cidade grande.

Além disso, é possível ir de Brisbane até Gold Coast de trem, uma cidade muito famosa pelo surf e com lindíssimas praias, considerada o “paraíso australiano”.

Outras opções: tem cidades para todos os gostos

Além das principais cidades e a belíssima Gold Coast, que também possui um custo de vida bem interessante, muitas opções de escolas e diversas oportunidades de trabalho, é possível também fugir do óbvio e explorar outras regiões que a Austrália oferece.

É o caso de Adelaide, uma cidade localizada mais ao sul do país, no estado de South Australia, que oferece ricas opções de lazer, ótimo custo de vida, belas praias e um clima mais ameno.

Do outro lado do país, na região oeste, temos o estado de Western Australia com a famosa Perth, que já foi considerada a cidade mais isolada do mundo, isso porque, Adelaide, a “cidade grande” mais próxima, fica a cerca de 2 mil km. 

No entanto, esse não é um impeditivo para considerar Perth uma opção no seu intercâmbio. Contando com escolas de excelência, baixo custo de vida e toda a cultura e lazer típicos da Austrália, a cidade pode te oferecer uma experiência bem positiva durante a sua estadia.

Por fim, no nordeste australiano temos lindíssimas cidades no estado de Queensland, como Cairns, porta de entrada para a famosa Barreira de Corais, uma das sete maravilhas do mundo, Sunshine Coast e Townsville (sim, o mesmo nome da cidade das Super-poderosas). 

Tem Austrália para todos os gostos e sonhos. 

Você pode se interessar: Austrália: roteiro espetacular pelo incrível destino da Oceania

Conheça algumas escolas de inglês na Austrália

Foto: Pixabay

Agora que você conheceu um pouco sobre a Austrália e as principais opções de cidades para estudar, vamos falar sobre as escolas.

O tipo de intercâmbio mais comum para os brasileiros é o de Curso de Idiomas, entretanto, há outras possibilidades, como o High School, Cursos Profissionalizantes e Universitários.

Em todas as cidades australianas é possível encontrar uma infinidade de escolas com valores, metodologias, níveis de ensino e qualidade diferenciadas. 

No momento de escolher, é importante levar em consideração não apenas o preço (afinal, a moeda local é dólar australiano e é um pouco mais valorizada em relação ao nosso real), mas também a classificação da escola e as vantagens que oferece.

Nesse cenário, dentre as melhores instituições, temos a Greenwich English College, localizada em Sydney e Melbourne, que chama atenção pela inovação e flexibilidade, ótima opção para os estudantes que planejam trabalhar durante o intercâmbio.

Outra opção é a Langports, escola localizada em Brisbane, Sydney e Gold Coast. O seu diferencial é a metodologia nos cursos de inglês geral, que foca no desenvolvimento completo das competências do idioma de acordo com as facilidades e necessidades do próprio aluno (seja no listening, writing e speaking, por exemplo).

O que essas duas escolas têm em comum? Além da qualidade elevada e diversas opções de cursos, o valor de investimento também pode ser um pouco salgado se comparado a outras instituições, no entanto, é justificável por todas as vantagens, como o mix de nacionalidades e ótima infraestrutura. 

Dentre as escolas chamadas “custo-benefício”, temos um leque de diversas instituições que entregam um ensino de qualidade com um valor de investimento bastante atraente, como:

  • Ability English: localizada em Sydney e Melbourne, oferece tanto os cursos de inglês quanto os cursos preparatórios para Cambridge e IELTS;
  • ELSIS: localizada em Sydney, Melbourne e Brisbane, a escola oferece diversas opções de cursos de inglês e preparatórios para exames de proficiência no idioma, além de contar com uma metodologia focada no desenvolvimento profissional;
  • ILSC: também localizada em Sydney, Melbourne e Brisbane, oferece tanto cursos de idiomas quanto cursos técnicos;
  • Imagine: localizada em Gold Coast e Brisbane, dispõe aos alunos uma gama de cursos de idiomas, técnicos e preparatórios.

Como funciona o visto para entrar na Austrália?

Foto: Freepik

O visto australiano, sem dúvidas, será um dos processos mais burocráticos do seu planejamento. Na prática, o tipo de visto que você vai precisar depende de quanto tempo deseja estudar no país.

Isso porque, para intercâmbios com duração de até 12 semanas, é possível tirar o visto de turismo, que possui a duração de até 1 ano, porém, o estudante pode permanecer apenas 3 meses a cada viagem ao país. 

Apesar de ser uma opção mais barata, esse tipo de visto não permite ao aluno trabalhar durante a sua permanência. 

Para cursos com duração superior a 14 semanas, o intercambista precisará de um visto de estudante, o que o permite trabalhar durante o tempo de permanência no país por 20 horas semanais (meio período). 

Os vistos são solicitados online, não é necessário o comparecimento em qualquer espaço físico. Os valores variam não apenas em relação ao tipo de visto necessário, mas também de acordo com o câmbio. Para analisar esses preços atualizados, você pode acompanhar o site da Embaixada da Austrália no Brasil.

Leia também: Intercâmbio para Casal na Austrália, Nova Zelândia e Canadá

Intercâmbio por conta própria ou com agência?

Se você chegou até aqui, provavelmente, deve estar se perguntando se é possível fazer o intercâmbio por conta própria e a resposta é sim! 

Com o planejamento certo, pode-se chegar ao país dos cangurus sem ajuda de uma agência, especialmente se você já tem um perfil mais maduro e já fez outras viagens internacionais. 

No entanto, caso esse seja o seu primeiro intercâmbio ou você ainda não fez nenhuma viagem internacional, contar com o auxílio de um agência pode te ajudar não apenas com todos os processos burocráticos, como o visto, abertura de conta e acomodação, mas também te apoiar caso algum “perrengue” aconteça.

No fim das contas, apesar da agência cobrar taxas administrativas, o valor não muda muito em relação a um intercâmbio por conta própria. No entanto, o ideal é você colocar na balança e analisar o que se encaixa melhor para o seu perfil de estudante. 

No geral, qual é o preço de intercâmbio para a Austrália?

Por fim, chegamos à parte que realmente interessa: quanto custa um intercâmbio para a Austrália? 

Para mensurarmos o valor, precisamos considerar, em primeiro momento, o visto de estudante, que está em torno de AU$620, e o seguro saúde obrigatório (chamado de OSHC, sigla para Overseas Student Health Cover), que custa cerca de AU$20 por semana que você permanecer no país. 

Como citado, esses valores mudam todo ano, por isso, o ideal é pesquisar e ficar sempre de olho. Além disso, o estudante precisa contar com a passagem aérea (que pode chegar a uma média de R$ 5.000) e os custos relacionados à acomodação (que depende do tipo de moradia escolhida e região). 

Outro ponto importantíssimo é a comprovação financeira, que consiste em um valor apresentado à Embaixada no momento de solicitar o visto em que o estudante prova que tem condições de se manter no país durante o intercâmbio (gira em torno de AU$1.753,42 por mês + as passagens aéreas – ida e volta).

Apesar de não ser obrigatória aos estudantes brasileiros desde 2019, comprovar esse valor garante à Embaixada que as suas intenções como estudante são legítimas e minimiza os riscos do seu visto ser negado.

Finalmente, chegamos ao valor do curso. É delicado acertarmos um preço padrão, pois vai depender não apenas da escola que você escolheu, mas também da região e período do seu intercâmbio. 

O ideal, neste caso, é solicitar orçamentos (seja por meio da agência ou diretamente para a escola) e comparar, sempre considerando benefícios além do preço, como a qualidade do ensino, flexibilidade oferecida, tipos de materiais e infraestrutura. 

Eaí, gostou de conhecer um pouco sobre como funciona o intercâmbio no país dos cangurus? Mande também para os amigos que compartilham do sonho de estudar fora e vamos nos organizar para rodar o mundo quando tudo isso passar! 🙏🏽

    Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter e junte-se à outros 1.543 assinantes. Leia sobre a nossa Politica de Privacidade.

    Gostaria de deixar um comentário?

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *