Intercâmbio Engorda?

Você precisa ter em mente é que engordar ou não vai depender muito mais de você do que do fato de partir para um intercâmbio.

Você morre de vontade de fazer um intercâmbio, de melhorar o novo idioma, conhecer outros lugares e outras culturas, mas sempre fica com aquela pulguinha atrás da orelha, preocupado se vai ganhar uns bons quilinhos durante essa aventura?

Relax, dear! A primeira coisa que você precisa ter em mente é que engordar ou não vai depender muito mais de você do que do fato de partir para um intercâmbio.

Ok, quando viajamos, fica difícil resistir a tanta novidade, a tanta coisa gostosa. Por exemplo, estar na Itália e não comer aquela deliciosa macarronada? Ir para os Estados Unidos e não comer o famoso hambúrguer? Sei que não rola, mas veja bem… Você pode comer tudo o que quiser, desde que com moderação.

Os Estados Unidos é tido como o destino que mais engorda as pessoas, afinal, a facilidade proporcionada pelas redes de comida rápida domina por lá. Pizza, hambúrguer, batata frita, refrigerante e assim por diante. É tudo muito farto, muito gordo, muito barato e muito perto do nosso alcance. Por exemplo, a turismóloga Patrícia Vargas está em seu segundo intercâmbio como au pair nos Estados Unidos e conta que engordou mais ou menos 15kgs na sua primeira vivência na Terra do Tio Sam, de 2008 a 2010, principalmente por frequentar muitos restaurantes fast food. “Ganhar [peso] é mais fácil que abrir a geladeira. Uma das coisas que me fizeram engordar foi a facilidade de passar no drive thru do Taco Bell e outros fast foods a qualquer hora do dia. O valor que eu gastava comendo fora também era menor do que se eu comprasse comida e tivesse que cozinhar. A minha família americana quase nunca cozinhava. Sempre saia para comer fora ou então pedia delivery de pizza, comida chinesa, e assim vai”, relembra.

Pois é, essa facilidade de ter comida rápida e barata pode ser conveniente por um lado, mas muito prejudicial por outro. Por isso, em seu segundo intercâmbio, novamente em Virginia (EUA), Patrícia optou por ter um estilo de vida mais saudável, pois não queria recuperar todo o peso que conseguiu eliminar durante os meses que esteve de volta ao Brasil. “Agora, eu preparo minha própria comida em casa e, quando saio, procuro selecionar bem o que eu vou pedir no restaurante. Hoje em dia não passo nem perto dos Fast Foods que eu adorava aqui. E estou frequentando a academia 5 a 6 vezes por semana. Sempre vou treinar quando estou no meu tempo livre”, comenta.

 Patrícia (à direita) aproveita seu tempo livre para treinar e desbravar as belezas norte-americanas
Patrícia (à direita) aproveita seu tempo livre para treinar e desbravar as belezas norte-americanas

Contudo, o intercâmbio nem sempre engorda. Às vezes ele pode te ajudar a perder peso. Foi o que aconteceu com a analista de marketing Elaine Pedrosa, que perdeu 3 kg durante um mês de intercâmbio em Vancouver, Canadá, em 2012. Segundo Elaine, o que a fez emagrecer foi não ter gostado da comida, optando, assim, por uma alimentação mais baseada em frutas. As muitas caminhadas após as aulas também foram fundamentais para emagrecer. “Não gostei muito da comida, que era pouco temperada. Uma coisa bastante consumida pelos estudantes era pizza, mas eu enjoei, então cortei. Além disso, evitava comer muita besteira. Para compensar eu comia muita fruta, que por sinal eram boas. Além disso, após a aula sempre saia para conhecer a cidade. Então andava muito. Fui durante o verão e o clima estava ótimo pra andar e conhecer os pontos turísticos”, destaca.

Elaine (no meio) e as amigas do intercâmbio conhecendo as belezas de Vancouver a pé.
Elaine (no meio) e as amigas do intercâmbio conhecendo as belezas de Vancouver a pé.

Minha experiência com intercâmbios foi bem parecida com as das meninas. No meu primeiro intercâmbio emagreci 7kgs, no segundo, engordei 3kgs e a diferença foi que no primeiro eu tinha uma alimentação mais saudável, comendo frutas, legumes, proteínas e carboidratos na quantidade certa e me exercitando muito à beira dos lagos, andando de bicicleta, patins e brincando com as crianças das quais eu cuidava. Na segunda fase, acabei engordando justamente porque a família com a qual eu morava era adepta do bacon pela manhã, macarrão à noite, pizza, comida chinesa… Sem contar que deixei a preguiça, a comodidade de me locomover de carro para todos os lados e ansiedade tomarem conta de mim. Aí já viu o estrago! Por isso, não tenha medo do intercâmbio. O que vai fazer você engordar ou não é a sua força de vontade (ou a falta dela). Mas em todo caso, aqui vão algumas dicas para ajudar a manter a forma enquanto afia o idioma:

  • Se movimente! Aproveite os parques, os lagos, as ciclovias e vá fazer alguma atividade física. Se você for durante o verão, é uma ótima oportunidade para se enturmar com a galera que gosta de praticar vôlei, basquete e outros esportes ao ar livre. Andar de bike e patins também é muito válido!
Minha amiga Vanessa e eu andando de patins no Lake Calhoun, Minneapolis, Minnesota
Minha amiga Vanessa e eu andando de patins no Lake Calhoun, Minneapolis, Minnesota
  • Conheça os pontos turísticos a pé ou de bike. Hoje em dia, a cultura de andar de bicicleta está cada vez mais difundida, por isso é muito fácil alugar bikes em todos os locais do mundo. Deixe a preguiça de lado. Suba na bicicleta e vá desbravar as belezas da cidade em que você está. Se preferir, caminhe. Também é uma excelente opção.
  • Experimente tudo com moderação. Você pode comer de tudo. Aliás, experimentar a culinária local é primordial para uma experiência completa. Contudo, nada de exagero. E no dia a dia, opte por uma alimentação mais saudável e equilibrada.
  • Procure uma academia. Nem sempre dá para fazer atividade ao ar livre, então, uma boa opção para não ficar parado é se matricular (e frequentar!) em uma academia perto de onde você está morando, principalmente para aquela galera que vai passar mais de 3 meses em outro país.
  • Dance! É uma atividade muito prazerosa e muito boa para socializar. Seja na balada ou na aula de dança, se liberte! Por exemplo, quando eu ia para balada nos Estados Unidos com minhas amigas, dançávamos de sair pingando. Resultado? Me ajudou a emagrecer e a definir as pernas, afinal, ir até o chão em cima de um salto tem que trazer mais benefícios do que apenas dores nos pés, não é mesmo?!

Então já sabe: embarque nessa aventura sem medo (de engordar). See ya!

Leia minhas últimas postagens!

  1. Work and Travel: O que é e como funciona?
  2. Trabalho Voluntário no Exterior
  3. Meu inglês é suficiente para o intercâmbio?

Comentários

  1. Adorei as dicas…. eu sempre fui do tipo magrela, peso 43 kg (tenho 1.54m e já estou com 26 anos), tb morei nos EUA, por 2 anos (não era intercâmbio, fui para estudar e morei num pensionato) mas vivia com saudade da familia, confusa com as coisas do país, enfim, meio abalada e nunca queria comer…. não engordei nadinha, as vezes até emagrecia um pouco!! o pessoal de lá chegava a achar que eu tinha “eating disorders”…. ai só dei dor de cabeça pra eles. Tive momentos maravilhosos claro, a peanut butter nunca vou esquecer, muito delicioso….. mas eu era muito nova e não soube lidar bem com as dificuldades, sofri bastante tb! hoje tenho outra cabeça e quero ir de novo, desta vez sim vou ter que tomar cuidado, pq vou querer comer tudo…. kkkkk bjos

    • Quando a gente é muito novo, é complicado mesmo. Mas, se for de novo, com certeza vai gostar ainda mais da experiência. Contudo, de fato precisará se controlar para não ganhar uns quilinhos rsrsrs

      bjs

Faça seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.